NOSSO DIFERENCIAL: excelência na análise de exames

A maioria das pessoas sabe que, na medicina moderna, é fundamental a realização de exames laboratoriais. Mas de que forma esses exames devem ser solicitados e como avaliar corretamente seus resultados?

O RDO mantém estrutura ideal para análise precisa de exames.

O RDO mantém estrutura ideal para análise precisa de exames. Clique na imagem e conheça os servisços do RDO.

Muitos podem pensar que basta avaliar se o resultado está dentro daqueles valores mostrados no laudo como “valores de referência”, às vezes chamados erroneamente de “valores normais”. Porém, esta é uma forma bastante simplista e pode levar a um raciocínio equivocado, seja da presença ou da ausência de algum problema.

A interpretação do resultado de um exame laboratorial exige outros conhecimentos além daquela “referência”, que, como o próprio nome diz, é apenas um indicativo de probabilidades baseados em estudos populacionais e estatísticos. Estes valores possuem algumas limitações claras. Em geral, eles levam em consideração um percentual da população estudada, em torno de 95%. Daí, já se conclui que uma porcentagem expressiva de pessoas podem apresentar valores fora destas faixas, sem apresentar nenhum problema associado. bvalores dentro das faixas de “referência” não significam necessariamente ausência de um problema clínico, se analisado de forma isolada.

É importante também saber que, para cada teste, a tal população estudada varie. No caso do Brasil, temos poucos testes com estudos da nossa população. Portanto, os valores que vemos nos laudos são “importados” de populações em geral norte-americanas ou europeias.

Resumindo: não existem valores de “normalidade” e “anormalidade”. Os resultados devem ser interpretados não apenas pela referência, mas pelos fatores pré-analíticos e analíticos.

1151-bxMas não é só isso! Existe uma série de fatores que influem em resultados dos exames laboratoriais. Alguns são inerentes a nossa biologia. Algumas substâncias têm seus valores alterados dependendo da hora do dia, da atividade física, do estado emocional, da alimentação, do uso de suplementos alimentares, de medicamentos convencionais ou fitoterápicos. O modo como é realizada a coleta da amostra e como ela é tratada e transportada no laboratório também influencia diretamente nos resultados. Estes fatores, chamados de fatores pré-analíticos, são os maiores responsáveis pela variação de resultados em testes laboratoriais. Se não forem considerados por quem lê o resultado, a chance de interpretação errônea aumenta consideravelmente.

Os fatores analíticos, aqueles que ocorrem dentro da área técnica do laboratório, devem ser considerados também. Por mais modernos que sejam os equipamentos ou por mais moderna que seja a metodologia utilizada, nenhum teste tem 100% de acurácia. Existem ferramentas estatísticas que determinam conceitos como sensibilidade, especificidade e valores preditivos para cada teste laboratorial. Isto significa que resultados falso-positivos ou falso-negativos são esperados em certa porcentagem, em qualquer teste e em qualquer laboratório do mundo, por melhor e mais confiável que ele seja.

E finalmente existem os erros laboratoriais, que podem ocorrer por falha humana ou nos equipamentos utilizados.

Isso tudo tem relevância tanto em testes confirmatórios e complexos, quanto em testes de triagem, aqueles que fazemos para verificar se algo pode estar errado, ainda que não tenhamos claros sinais ou sintomas de nenhuma doença especifica, ou seja, os exames de “check-up”. Um exame mal feito ou mal interpretado como “normal”, pode levar, por exemplo, a demora em um diagnóstico clínico.

Por todos estes motivos, a escolha de um laboratório médico deve ser cuidadosa. 

Clique aqui e conheça os exames oferecidos pelo RDO Diagnósticos.

 

Fotos: