Saiba como diagnosticar a doença -

Saiba como diagnosticar o COVID-19 e quais exames estão disponíveis. Faça download do e-book grátis.

[ Clique aqui para baixar ]

Nós realizamos os testes! -

ESTUDO SOROLÓGICO SARS-COV-2 – IGG +IGM + IGA

Para mais informações entre em contato 3065-0800

 

> Saiba Mais 

Porque RT-PCR não é suficiente para o diagnóstico de COVID-19? -

 

 

Dra. Natalia Gonçalves ( RDO DIAGNÓSTICOS MEDICOS)
Para entender melhor a dinâmica de transmissão do Coronavírus 2 da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS-CoV-2) e desenvolver contramedidas eficazes contra ele, imunoensaios baseados em antígenos e anticorpos serão essenciais. Neste artigo, explicarei a diferença entre as técnicas e a importância da detecção de anticorpos para uma avaliação diagnóstica completa do COVID-19.
Fonte: https://varstation.com/blog/articles/why-is-rt-pcr-not-enough-for-covid-19-diagnostic/

E-book Gratuito! Trombofilias -

A Importância do diagnostico das trombofilias hereditárias e adquiridas nas diferentes fases da vida da mulher.

[ Clique aqui para baixar ]

Entrevista do Dr. Ricardo M. Oliveira ao Jornal O Estado de S. Paulo -

Clique Aqui e Confira.

 

 

Depois das notícias de estudos preliminares, mas ainda sem confirmação, de que a hidroxicloroquina associada a um antibiótico foi testada com certo êxito para combater o coronavírus, o medicamento sumiu das prateleiras das farmácias, tanto as online como as físicas. Antes dos testes, a substância usada para doenças reumáticas e autoimunes como a SAAF (síndrome do anticorpo antifosfolípide), que tenho, a hidroxicloroquina fazia parte daquele conjunto de medicamentos fundamentais para tratar os sintomas e que até então viviam tranquilamente nas prateleiras e estoques das farmácias, apesar de existir apenas tês fabricantes no Brasil (dois genéricos e um de marca)

O sulfato de hidroxicloroquina, substância menos tóxica da cloroquina, está há mais de 40 anos em uso. Inicialmente foi aplicada para o tratamento da malária, mas, como é um imunomodulador, passou a ser usado em doenças reumáticas, explica o Ricardo de Oliveira do RDO diagnósticos. 

Para ele o uso indiscriminado no momento só vai afetar aqueles que precisam realmente da substância.

Confira a entrevista na íntegra:

https://saude.estadao.com.br/noticias/geral,depoimento-comecei-a-percorrer-as-farmacias-atras-da-hidroxicloroquina,70003242390

 

 

Fertilidade masculina -

Dificuldade pode não estar nas mulheres; check-up da fertilidade masculina pode identificar a quantidade de células reprodutivas com o DNA fragmentado. Leia mais.

Trombofilias

O RDO oferece um grupo de exames para investigar o risco de doenças trombogênicas herdadas ou adquiridas, indicado para mulheres em diferentes períodos hormonais, gestantes ou pacientes de cirurgias estéticas. Clique e saiba mais!



Análise e interpretação

Ir além de valores de referência e investigar detalhadamente os resultados é fundamental para diagnósticos precisos.

Clique aqui e entenda os diferenciais do RDO.

Convênios

O RDO oferece um serviço diferenciado para solicitação de reembolso, no qual todo o processo é realizado e acompanhado por nós. Clique aqui e veja os planos conveniados.



NOTÍCIAS

PGD 30 ANOS: Triagem Genética em Ciclos de Reprodução Humana Assistida

> Saiba Mais 

 

 

PGD 30 ANOS: TRIAGEM GENÉTICA PRÉ-IMPLANTAÇÃO EMBRIONÁRIA EM CICLOS DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA.

 

O termo PGD, diagnóstico genético pré-implantacional (do inglês Pre-Implantation Genetic Screening) foi descrito pela primeira vez em 1990 (Handyside et al.) e chegou ao Brasil poucos anos depois.
Tal metodologia permite, através de biopsia, avaliar o embrião ainda em desenvolvimento no laboratório de fertilização in vitro (FIV), antes da inseminação (transferência para o útero), detectando assim, possíveis alterações no número de cópias dos cromossomos (aneuploidias) e outras mutações genéticas.

Visando sempre aprimorar as nomenclaturas genéticas deixando-as cada vez mais fiéis ao que oferecem como resultado final ao paciente, o PGD passou a se chamar recentemente PGT-A (Triagem Genética Pré-implantacional para detecção de Aneuploidias) e PGT-M (para doenças monogênicas).

O PGT contribui para o aumento das taxas de êxito e eficácia da FIV em até 70% o que pode diminuir as taxas de abortos e perdas gestacionais. Assim, somente os embriões selecionando como euplóides (aqueles que apresentam a contagem normal de cromossomos, 46 XX ou 46 XY), ou seja, geneticamente saudáveis são transferidos para o útero, o que aumenta a possibilidade de gravidez e a taxa de bebês em casa.

A técnica permite avaliar os 23 pares de cromossomos mediante o sequenciamento de todo o genoma (WGS) com a tecnologia NGS, software especializado em análise bioinformática posterior, realizada por profissionais da área de Biologia Molecular.
O teste analisa vários embriões de uma só vez e o laudo é emitido entre 10 e 15 dias corridos, enquanto os embriões permanecem congelados no laboratório.
O PGS é recomendado nas seguintes situações:
Aborto de repetição;
Antecedente de filho com alteração cromossômica;
Cariótipo alterado de pelo menos de um dos membros do casal (translocação, inversão ou polimorfismo);
Falhas de tratamentos prévios em ciclos de FIV;
Histórico familiar de doenças cromossômicas;
Homens com baixa qualidade de esperma.
Idade materna avançada, acima de 35 anos;
Perdas gestacionais pós ciclo FIV;
A critério médico

Apesar de totalmente seguro a técnica de biopsia embrionária é invasiva. Entretanto, existem vários estudos em andamento para que a análise seja feita a partir do meio em que o embrião é cultivado no laboratório de FIV.
Enquanto esses estudos, ainda estão em fase experimental e, os seus dados, não são suficientes para corroborar com os resultados obtidos, quando se compara a biópsia do embrião versus meio de cultivo, essa nova técnica não deve ser usada para diagnóstico.

O estudo genético do embrião é uma técnica consagrada. Todo resultado genético deve ser comunicado ao casal por seu médico e, caso necessário o casal deve ser encaminhado para aconselhamento genético.

O RDO Diagnóstico Médico possui 15 anos de experiência em biologia molecular e genética avançada, atuando em todo o Brasil e oferecendo a triagem pré-implantacional desde 2010 para a clinicas de reprodução assistida.

Eu sou Natalia Gonçalves, PhD em Genética e Biologia Molecular pela Universidade de São Paulo, com 10 anos de experiência na área e atuo como Pesquisadora e responsável pelos departamentos de P&D, Genética e Biologia Molecular do RDO.

Leia mais