Sono – Histerosalpingografia Contrastada

Sono – Histerosalpingografia Contrastada

Ambularorial

 

Dr. Paulo Sergio Cossi  – CRM-SP 43.921

– Médico assistente e associado – chefe do setor de sono-histerosalpingografia contrastada- RDO

 

  • Médico pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas- PUC Campinas (1982);
  • Residência médica em ginecologia e obstetrícia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas- PUC Campinas (1984);
  • Título de Especialista e certificação em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação das Sociedades Brasileiras de FEBRASGO, S. Paulo (1995);
  • Certificação, especialização no CRM-SP RQE 53.616;
  • Mestre em Ciência da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP-EPM | Setor de US do Ambulatório de Algia Pélvica da Escola Paulista de Medicina (2005);

 

 

 

 

SONO-HISTEROSALPINGOGRAFIA CONTRASTADA

Este exame usa a técnica de histerosalpingosonografia ou sono-histerosalpingografia com a utilização do contraste ultrassonográfico de segunda geração.

 

O exame permite que as imagens sejam processadas de modo que temos uma visualização de diferentes abordagens da pelve, anatomia da cavidade uterina –  malformação uterinas, pólipos endometriais, miomas que comprometem a cavidade uterina, ainda, a visão complementar dos ovários, das alças intestinais (endometriose intestinal) e de outras patologias relacionadas a infertilidade feminina.

 

Nesta nova técnica, apresenta acurácia, sensibilidade e especificidade semelhantes a HSG radiológica convencional, conforme estudo de revisão de meta-análise de 2014 (Maheux-Lacroix et al., 2014). Aplica-se o contraste também chamado de “ativo” por conter microbolhas de gás (hexafluoreto de enxofre), envolto por duas camadas de lipídios. Estas microbolhas têm diâmetro semelhante ao das células hemácias (glóbulos vermelhos), e quando submetidas ao “stress” mecânico – ondas sonoras – realçam o retorno ecográfico.

 

O contraste “ativo com microbolhas” é injetado no colo do útero, por meio de um fino cateter. A utilização de softwares dedicados consegue capturar os ecos provenientes do contraste e, eliminar os ecos nos tecidos circunjacentes (imagem 2D).

 

Associado à Ultrassonografia 3D e 4D – em tempo real, os “blocos volumétricos” são capturados, permitindo o estudo da permeabilidade tubária e a reconstrução tridimensional da cavidade uterina e das tubas.

 

 

VANTAGENS DO EXAME