RDO DIAGNÓSTICOS MÉDICOS
NOTÍCIAS & MÍDIA

PAINEL DE METABÓLITOS DE ESTROGÊNIOS NA URINA

Os hormônios são mensageiros químicos, produzidos e liberados no momento exato em que são necessários, afim de manter ativas as várias funções orgânicas. Eles interagem entre si, através de uma rede complexa, composta de glândulas, órgãos e sistemas.

Ativando ou desativando os tecidos-alvos, os hormônios são mantidos, constantemente em níveis dentro dos limites adequados. Depois exercerem suas funções, elas são metabolizadas e eliminadas, pois, não são armazenados nas células.

Existem vários hormônios, entretanto, os estrogênios são os mais conhecidos, como o hormônio sexual anabolizante produzido a partir do colesterol presente tanto na mulher como no homem.  No caso dos estrogênios temos, potencialmente quatro tipos: Estrona (E1); Estradiol (E2) o mais ativo; Estriol (E3); Estetrol (E4), cujas funções são diferentes em todo o organismo e em diferentes fases da vida

O desequilíbrio hormonal, principalmente com os estrogênios pode surgir com o avançar da idade, potencializado pelos hábitos ruins de vida, que ao longo do tempo, acarretam a uma serie de disfunções.

Os estudos vêm demonstrando que no desequilíbrio hormonal tem sido encontrado alto índice de risco para as seguintes manifestações:   

  • Ansiedade, baixa libido e problemas de desempenho sexual, confusão mental, distúrbios do sono, fadiga, ganho de peso, Instabilidade de humor, ondas de calor, queda de cabelo;
  • Síndrome pré-menstrual, síndrome do ovário policístico, miomas uterinos, endometriose, sintomas da menopausa, osteoporose e pré-eclâmpsia;
  • Câncer de ovário e mama, câncer uterino incluindo endometrial, câncer cervical, câncer de próstata, câncer colorretal, câncer de cabeça e pescoço.

Assim,identificar as possibilidades de riscos em desenvolver, principalmente os cânceres estrógenos sensíveis, ganha importância à medida que se avaliar e monitorar o metabolismo dos estrogênios e suas respectivas proporções:

PAINEL RDO DE METABÓLITOS DE ESTROGÊNIOS NA URINA – PAROMEU

  • PAROMEU permite, identificando aqueles pacientes com risco aumentado para o desenvolvimento do desequilíbrio hormonal e, suas consequências clínicas;
  • PAROMEU permite uma avaliação inicial dos estrogênios e de seus metabolitos, tanto no acompanhamento, como na monitorização da resposta às Terapias de Reposição Hormonal (TRH) em uso, ou mesmo na verificação previa dos níveis de resultados anormais, bem como o balanço hormonal durante a avaliação;
  • PAROMEU permite uma visão mais precisa, quando comparado com os testes hormonais convencionais básicos dosados no sangue;
  • PAROMEU permite identificar os metabólitos das duas vias, cujas propriedades biológicas são opostas, motivo pelo qual é aconselhável que a razão de metabolização entre elas e esteja equilibrada e se mantenha em valores ótimos;
  • PAROMEU analisa simultaneamente 12 testes que dosam os estrógenos e seus metabólitos, calculando a razão das respectivas proporções:
  Estradiol (E2) Estrona (E1) Estriol (E3)      Proporção E3/E1 + E2  
  2-Hidroxiestradiol (2-OH E2) 2-Hidroxiestrona (2-OH E1) 4-Hidroxiestradiol (4-OH E2) 4-Hidroxiestrona (4-OH E1) 16α-Hidroxestrona (16α-OH E1)        Proporção 2-OH (E1+E2) /16α-OH E1  
  2-Metoxiestradiol (2-MeO E2) 2-Metoxiestrona (2-MeO E1)    Proporção 2-MeO E1/2-OH E1  
  4-Metoxiestradiol (4-MeO E2)Proporção 4-MeO E2/4-OH E2  
4-Metoxiestrona (4-MeO E1)    Proporção 4-MeO E1/4-OH E1  

Estrogênios Principais (Estradio-E2, Estrona-E1 e Estriol-E3)

Os estrogênios principais estão dentro/próximos da mediana esperada para 90% dos intervalos de referência observados em mulheres pós-menopausa submetidas a terapias de reposição de estrogênio tópicas (estrogênios transdermicos e tópicos causam pouco aumento nos níveis de estrogênios urinários, uma vez que são excretados predominantemente na bile e fezes quando essa é a via de administração). Isso é comumente visto em mulheres pós-menopausa que fazem uso de baixas doses de estrogênios tópicos (geralmente estradiol tópico ou um bi-estrogênio contendo estradiol + estriol). A administração por via tópica leva a um aumento nos níveis dos estrogênios utilizados na saliva e no sangue capilar, e a níveis mais baixos na urina e soro. Hormônios administrados por via tópica apresentam maior probabilidade de serem excretados na bile/fezes que na urina.

Estrogênios Hidroxilados (Catecol) (2-OH E2 & E1, 4-OH E2 & E1, 16-OH E1) e Razão 2-OH/16α-OH

Os estrogênios hidroxilados estão dentro/próximos dos intervalos de referência para mulheres pós-menopausa com suplementação de estrogênios tópicos. Níveis de estrogênios hidroxilados down-stream estão, geralmente, na porção baixa do intervalo de referência quando há uso de ERT tópico, da mesma forma que para os estrogênios principais dos quais são derivados. Estrogênios administrados por via tópica apresentam maior probabilidade de serem excretados na bile/fezes que na urina.

A hidroxilação de estradiol e estrona representam a primeira fase do metabolismo e eliminação desses estrogênios pela urina. Após essa hidroxilação nas posições 2-, 4- ou 16-, os estrogênios sofrem outras modificações (metilação, sulfação, glicuronidação) que levam a um aumento de solubilidade e excreção na urina. Em laboratório, esses grupos sulfato e glicuronídeo são removidos por hidrólise enzimática, o que permite a mensuração dos diferentes tipos de estrogênios hidroxilados, além da metilação dos grupos hidroxila. Os metabólitos E1 e E2 2- e 4- hidroxilados são referidos como estrogênios Catecol.

Pesquisas e estudos clínicos mostram que estrógenos 2-hidroxilados (2-OH E2 e 2-OH E1) são uma via mais segura de hidroxilação do que os 4-hidroxiestrogênios (4-OH E2 e 4-OH E1), que se ligam e danificam o DNA, levando a mutações que estão associadas com um aumento no risco de câncer de mama.

Para reviews, ver: Cavalieri EL, Rogan EG Future Oncol 6(1): 75-79, 2010; and Lee, JR, Zava DT What Your Doctor May Not Tell You About BREAST CANCER: How Hormone Balance Can Help Save Your Life: Chapter 7. 

O metabolismo de estrogênios 2-hidroxilados pode ser aumentado a partir do consumo de vegetais crucíferos e seus extratos, sendo que alto consumo desses alimentos leva a um aumento da via de 2-hidroxilação mais segura para o metabolismo de estrogênio. O extrato de vegetais crucíferos concentrado mais comumente utilizado contém altos níveis de índole-3-carbinol (I3C) e seu metabólito di-indolemetano (DIM). Iodo também leva a um aumento de 2-hidroxilação de estrogênios, com um leve aumento de 4-hidroxilação (Stoddard FR et.al. Int J Med Sci 5: 189-196, 2008), o que é associado aos efeitos protetivos das terapias com altas doses de iodo na prevenção de câncer de mama. O metabolismo de estrogênios 4-hidroxilados, que são os mais perigosos, é aumentado pela exposição a toxinas ambientais, principalmente produtos derivados de petroquímicos, mas também metais pesados, que induzem enzimas (1B1) da via de 4-hidroxilação, causando a formação de Espécies Reativas de Oxigênio (EROs) que cooxidam os estrogênios catecol em quinonas.

16-hidroxiestrona é outra via do metabolismo de estrona e um precursor do estriol. Pesquisas clínicas preliminares em humanos sugerem que altos níveis urinários de 16-hidroxiestrona em relação aos estrogênios 2-hidroxilados (por exemplo, baixa razão 2-OH E1 + 2-OH E2/16-OH E1) estão relacionados com aumento no risco de câncer de mama em mulheres pré-menopausa, mas não em mulheres pós-menopausa. Esse tópico tem se mantido controverso e novas pesquisas sugerem que, embora níveis mais altos de 16-hidroxiestrona podem realmente ser levemente associados com aumento no risco de câncer de mama em mulheres pré-menopausa, níveis mais altos são, paradoxalmente, associados com uma diminuição desse risco em mulheres pós-menopausa (Huang J et.al. Analytica Chimica Acta 711: 60-68, 2012). De maneira geral, estudo mais recentes tem demonstrado que a razão 2/16 é útil para estimar o risco de câncer de mama.

Metilação de Hidroxiestrogênios

As formas metiladas dos 2- e 4-hidroxiestrogênios estão dentro do intervalo médio com a exceção de 4-MeO E1, que está elevado. Esse é provavelmente um resultado da terapia de reposição de estrogênio em combinação com a terapia de progesterona natural. A progesterona induz a síntese/ativação de 17 beta hidroxiesteróide desidrogenase tipo II, que converte estradiol em estrona. A estrona é então metilada para 4-MeO E1. Níveis médios a elevados de metoxiestrogênios, particularmente 4-MeO E1 e E2, são benéficos, uma vez que indicam que os perigosos metabólitos de estrogênios hidroxilados estão inertes, provavelmente não convertidos nas perigosas quinonas de estrogênio associadas ao aumento no risco de câncer de mama.

Os 2- e 4-hidroxiestrogênios são metilados pela enzima Catecol-o-Metil Transferase (COMT), o que torna esses estrogênios catecol inertes e inofensivos (Cavalieri EL, Rogan EG Future Oncol 6(1): 75-79, 2010). Nessa forma, esses estrogênios catecol metilados são rapidamente excretados pela urina. Se as vias de metilação estiverem inadequadas devido a baixos níveis de COMT ou ausência do precursor de metilação (vitaminas B6, B12, folato, betaína), os 2- e 4-hidroxiestrogênios podem ativar uma via mais problemáticas do metabolismo, que é a oxidação em quinonas de estrogênio altamente reativas. Quinonas de estrogênio, especialmente a 4-quinona de estradiol e estrona são altamente eletrofílicas e se ligam ao DNA formando a dutos que levam a mutações permanentes no DNA. Diversos estudos têm mostrado que níveis urinários elevados dessas 4-quinonas de estradiol e estrona estão associados com aumento no risco de câncer de mama se elas não forem inativadas por metilação ou sulfonação de glutationa. Os 2- e 4-hidroxiestrogênios são convertidos nas suas formas de quinonas oxidadas, que são mais danosas, sob condições oxidantes das células, o que ocorre mais rapidamente na presença de lipídios oxidados, especialmente aqueles de gorduras trans-hidrogenadas. Essas quinonas de estrogênio, como toda molécula oxidada com alta afinidade por elétrons no organismo, são inativadas pela ligação à glutationa, o antioxidante mais prevalente no organismo. Entretanto, caso a glutationa esteja baixa, devido a níveis insuficientes de certos minerais (selênio, iodo) e vitaminas (C e E), essas quinonas de estrogênio possuem menor probabilidade de serem detoxificadas (inativadas), aumentando o potencial de danos às células/DNA em proximidade à sua formação (Ex. células/DNA das mamas). Nenhuma das quinonas de estrogênio, ou sua interação com o DNA, podem ser quantificadas apenas a partir dos precursores de hidroxiestrogênios ou de seus metabólitos metilados.

O tipo de hidroxiestrogênio formado, 2- ou 4-estradiol ou estrona, bem como seu grau de metilação está associado ao risco de câncer de mama. Maior metilação desses estrogênios, e consequentemente maiores razões 4-MeO E1/4-OH E1 e/ou 4-MeO E2/4-OH E2, podem, teoricamente, estarem associados a menor risco de câncer de mama. É importante notar que a razão 4-MeO E1/4-OH E1 está elevada, o que é benéfico e indica metilação em níveis ótimos.

Razão Hidroxiestrogênios 4-metilados/4-hidroxiestrogênios

Os 4-hidroxiestrogênios (4-OH E2 e 4-OH E1) estão com níveis de metilação apropriados com base nos altos índices das razões 4-MeO E2/4-OH E2 e 4-MeO E1/4-OH E1. As razões entre os 4-hidroxiestrogênios e seus correspondentes 4-metilados são avaliadas a fim de determinar se estes estão sendo corretamente metilados, os tornando bioquimicamente inertes e reduzindo assim o risco de câncer de mama. Um índice adequado de metilação está associado com valores dessa razão em níveis próximos dos limites altos, ou acima, do intervalo de referência. Isso é particularmente verdade para os estrogênios 4-hidroxilados que, se não metilados corretamente, estão associados ao aumento no risco de conversão às formas potencialmente mais danosas 4-quinonas de estrogênios (não mensuradas) que levam a danos no DNA causando mutações e, potencialmente, câncer. Mesmo que altos níveis de estrona ou estradiol 4-hidroxiliados estejam presentes, uma metilação adequada às torna potencialmente menos nocivas.

INSTRUÇÃO DE COLETA – URINA 10mL

Uma simples coleta de 10 mL da primeira urina da manhã.

CONSERVAÇÃO, ESTABILIDADE E LOGISTICA DA AMOSTRA/URINA

Amostras c/ previsão de recebimento em até 48 horas (2 dias) – Refrigerado e acondicionado em caixa de isopor com gelo reciclável;

Amostras c/ previsão de recebimento entre 49 e 120 horas 3 a 5 dias) – Congelado.

RESULTADO

Liberado em 15 dias laboratoriais

ACESSO AO LAUDO

Mediantes senha fornecida –  https://resultados.rdo.med.br:8000/wfrmLogin.aspx

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

Telefone/whatsApp (11) 3065-0800, atendimento@rdo.med.br

MODELO DE LAUDO

Fontes/bibliografias:

  • C.D.C. Cancer Prevention and Control. http://www.cdc.gov/ cancer/dcpc/data/women.htm. Accessed July 16, 2009.
  • Paola Muti, Kim Westerlind, Tiejian Wu, et.al. Urinary estrogen metabolites and prostate cancer: a case-control study in the United States. Cancer Causes and Control. Dec 2002; 13(10): 1573-7225.
  • Barba M, Yang L, Schünemann HJ, et. al. Urinary estrogen metabolites and prostate cancer: a case-control study and metaanalysis. J Exp Clin Cancer Res. Oct 8 2009; 28:135.
  • Yoo HJ, Sepkovic DW, Bradlow HL, Yu GP, Sirilian HV, Schantz SP. Estrogen metabolism as a risk factor for head and neck cancer. Otolaryngol Head Neck Surg. Mar 2001;124(3):241-247.
  • Compston J. Clinical and therapeutic aspects of osteoporosis. Eur J Radiol. Aug 4 2009.
  • Lopez LM, Kaptein AA, Helmerhorst FM. Oral contraceptives containing drospirenone for premenstrual syndrome. Cochrane Database Syst Rev. 2009(2):CD006586.
  • Leyendecker G, Wildt L, Mall G. The pathophysiology of endometriosis and adenomyosis: tissue injury and repair. Arch Gynecol Obstet. Jul 31 2009.
  • Okolo S. Incidence, aetiology and epidemiology of uterine fibroids. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol. Aug 2008;22(4):571-588.
  •  Veerapaneni P, Kirma N, Nair HB, Hammes LS, Hall KL, Tekmal RR. Elevated aromatase expression correlates with cervical carcinoma progression. Gynecol Oncol. Sep 2009;114 (3):496-500.
  •  Berstein L, Zimarina T, Imyanitov E, et al. Hormonal imbalance in two types of endometrial cancer and genetic polymorphism of steroidogenic enzymes. Maturitas. Jul 20 2006;54 (4):352-355.
  •  Sherman ME. Theories of endometrial carcinogenesis: a multidisciplinary approach. Mod Pathol. Mar 2000;13(3):295-308.
  • . Hopkinson ZE, Sattar N, Fleming R, Greer IA. Polycystic ovarian syndrome: the metabolic syndrome comes to gynaecology. Bmj. Aug 1 1998; 317(7154):329-332.
  •  Stenchever MA. Comprehensive Gynecology. 4th ed. St. Louis, MO: Mosby; 2001.
  •  Ferreira AM, Westers H, Albergaria A, Seruca R, Hofstra RM. Estrogens, MSI and Lynch syndrome-associated tumors. Biochim Biophys Acta. Jun 25 2009.
  •  Iqbal J, Zaidi M. Understanding estrogen action during menopause. Endocrinology. Aug 2009;150 (8):3443-3445.
  •  Cribb AE, Knight MJ, Dryer D, et al. Role of polymorphic human cytochrome P450 enzymes in estrone oxidation. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. Mar 2006; 15(3):551-558.
  •  Lord RS, Bongiovanni B, Bralley JA. Estrogen metabolism and the diet-cancer connection: rationale for assessing the ratio of urinary hydroxylated estrogen metabolites. Altern Med Rev. Apr 2002;7(2):112-129. 1
  • 8. Muti P, Bradlow HL, Micheli A, et al. Estrogen metabolism and risk of breast cancer: a prospective study of the 2/16alphahydroxyestrone ratio in premenopausal and postmenopausal women. Epidemiology. 2000;11(6):635-640.
  •  Lemon HM, Heidel JW, Rodriguez-Sierra JF. Increased catechol estrogen metabolism as a risk factor for nonfamilial breast cancer. Cancer. Jan 15 1992;69(2):457-465.
  • Kabat GC, O’Leary ES, Gammon MD, et al. Estrogen metabolism and breast cancer. Epidemiology. Jan 2006; 17(1):80-88.
  • Yadav BS, Sharma SC, Patel FD, Ghoshal S, Kapoor R, Kumar R. Nonbreast second malignancies after treatment of primary breast cancer. Int J Radiat Oncol Biol Phys. Apr 1 2009;73(5):1489-1492.
  • Wellejus A, Olsen A, Tjonneland A, Thomsen BL, Overad K, Loft S. Urinary Hydroxyestrogens and Breast Cancer Risk among Postmenopausal Women: A Prospective Study. Institute of Public Health, University of Copenhagen, DE, and Dept. of Clinical Epidemiology, Aalborg Hosp., Aarhus Unv. Hosp. Aalborg, DE.
  • Hamilton-Reeves JM, Rebello SA, Thomas W, Slaton JW, Kurzer MS. Soy protein isolate increases urinary estrogens and the ratio of 2/16 alpha-hydroxyestrone in men at high risk of prostate cancer. J Nutr. Oct 2007;137(10):2258-2263.
  •  Salih S, Xu X, Veenstra TD, et al. Lower levels of urinary 2-hydroxyestrogens in polycystic ovary syndrome. J Clin Endocrinol Metab. Aug 2007;92(8):3285-3291.
  • Singh A, Purohit A, Hejaz HA, Potter BV, Reed MJ. Inhibition of deoxyglucose uptake in MCF-7 breast cancer cells by 2-methoxyestrone and 2-methoxyestrone-3-O-sulfamate. Mol Cell Endocrinol. Feb 25 2000;160(1-2):61-66.
  • Thibodeau PA, Kachadourian R, Lemay R, Bisson M, Day BJ, Paquette B. In vitro pro- and antioxidant properties of estrogens. J Steroid Biochem Mol Biol. Jul 2002;81(3):227-236.
  • Spink BC, Fasco MJ, Gierthy JF, Spink DC. 12-O-tetradecanoylphorbol-13-acetate upregulates the Ah receptor and differentially alters CYP1B1 and CYP1A1 expression in MCF-7 breast cancer cells. J Cell Biochem. Sep 1 1998; 70(3):289- 296.
  • Hayes CL, Spink DC, Spink BC, Cao JQ, Walker NJ, Sutter TR. 17 beta-estradiol hydroxylation catalyzed by human cytochrome P450 1B1. Proc Natl Acad Sci USA. Sep 3 1996;93(18):9776-9781.
  • Yang L, Gaikwad NW, Meza J, et al. Novel biomarkers for risk of prostate cancer: results from a case-control study. Prostate. Jan 1 2009; 69(1):41-48.
  • Castagnetta LA, Granata OM, Traina A, et al. Tissue content of hydroxyestrogens in relation to survival of breast cancer patients. Clin Cancer Res. Oct 2002;8(10):3146-3155.
  • Rylander-Rudqvist T, Wedren S, Granath F, et al. Cytochrome P450 1B1 gene polymorphisms and postmenopausal breast cancer risk. Carcinogenesis. Sep 2003;24(9):1533-1539.
  • Gaikwad NW, Yang L, Muti P, et al. The molecular etiology of breast cancer: evidence from biomarkers of risk. Int J Cancer. May 1 2008; 122(9):1949-1957.
  •  Tamir S, Izrael S, Vaya J. The effect of oxidative stress on ERalpha and ERbeta expression. J Steroid Biochem Mol Biol. Aug 2002;81(4- 5):327-332.
  • O metabólito 4-hidroxiestrogênio, que causa instabilidade genômica ao atenuar a função do ponto de verificação da montagem do fuso, pode servir como um biomarcador para o câncer de mama. ” Miao S, Yang F, Wang Y, Shao C, Zava DT, Ding Q, Shi YE. Am J Transl Res. 2019; 11 (8): 4992-5007.
  • Topical Delivery of Sex Steroid Hormones and Distribution in Different Body Fluids. Zava DT. Anti-Aging Medical News 2019; Spring: 20-23.
  • “Editorial: Absorção percutânea de progesterona.” Zava DT, Groves MN, Stanczyk FZ. Maturitas 2014; 77: 91-92.
  • Implantes de testosterona em mulheres: dosagem farmacológica para um efeito fisiológico: Glaser R, Kalantaridou S, Dimitrakakis C. Maturitas 2013; 74 (2): 179-84.
  • O papel fisiológico e o uso do estriol. Paoletti JE. International Journal of Pharmaceutical Compounding, 2009: 13 (4): 270-5.
  • A ligação hormonal ao câncer de mama: a matriz de estrogênio, Zava, DT. International Journal of Pharmaceutical Compounding 2002: 6 (4): 250-254.

Postagens recentes

• O reembolso é um direito que deve ser sempre utilizado e aproveitado quando disponível em seu plano de saúde ou convenio!

• O reembolso é a melhor maneira de utilizar o seu plano:

O plano de reembolso é reconhecido por Lei como aquele em que o usuário escolhe livremente o prestador de serviço, sendo reembolsado, nos limites pactuados, do valor gasto, não sendo permitidos mecanismos de regulação assistencial de uso pela operadora de convênio/seguro.

  • Você escolhe o médico, o hospital, o laboratório independentemente da operadora de convênio/seguro para tomar alguma decisão;
  • Não há intermediários entre você e seu médico, permitindo um relacionamento mais franco;
  • Muitos imaginam que reembolso contempla apenas uma porcentagem do valor da consulta, do procedimento ou exame, mas isto não é verdade;
  • A maioria das operadoras de convênios possui uma tabela própria que fixa e determina para cada plano o valor do reembolso;
  • De acordo com a ANS, a operadora de convênio/seguro não é obrigada a anexar a respectiva tabela de reembolso nos contratos, mas é obrigada a informar pelo seu atendimento como chegou ao valor reembolsado, pois, é direito do usuário de saber (valor da chamada “prévia de reembolso”).

O direito a esta informação, é reforçado pelo Procon (art. 46 do Código de Defesa do Consumidor), que diz que o conhecimento prévio é direito do consumidor.

Assim, dependendo do valor que será cobrado, o valor reembolsado será uma porcentagem ou mesmo o valor total.  Por isso a importância de saber o valor do seu reembolso, antecipadamente, através da previa de reembolso;

  • Assim, você saberá se seu prestador está dentro do valor, ou, se será necessário complementar o valor do reembolso;
  • Você poderá também negociar dentro do valor conhecido.
  • Saiba que a diferença que não foi reembolsada pode ser deduzida/descontada do seu imposto de renda pessoa física.